Postagem em destaque

TORRENTe! +links

Oi gente! Passando pra informar sobre os links do site... LINKS PARA OS DISCOS NOS COMENTÁRIOS DESSE POST Depois de muitas tentativas de ...

2012 - I just happened to be here [songbook]


Faixas: 

01 - A little more blue 
(Caetano Veloso)

02 - You don't know me 
(Caetano Veloso)

03 - Shoot me dead 
(Caetano Veloso)

04 - Lost in the paradise 
(Caetano Veloso)

05 - Nine out of ten 
(Caetano Veloso)

06 - In the hot sun of a Christmas day 
(Caetano Veloso/Gilberto Gil)

07 - The empty boat 
(Caetano Veloso)

08 - London, London 
(Caetano Veloso)

09 - It's a long way 
(Caetano Veloso)

10 - If you hold a stone (Marinheiro só) 
(Caetano Veloso)

Comentários: 

 A primeira vez que entrei em contato com “I Just Happen to Be Here”, foi quando Alexia Bomtempo foi gravar uma das vozes do disco no meu estúdio. A música era “A Little More Blue”, do primeiro LP que Caetano gravou em Londres, que conheço de cor. Além de ter achado a voz dela linda, fiquei surpresa com a propriedade com que Alexia dizia aquela letra que começa com o verso “One day I had to leave my country” (Um dia eu tive que deixar meu país). Meu irmão, o preparador vocal Felipe Abreu, já havia comentado comigo que tinha idealizado para Alexia um disco feito apenas de canções compostas em inglês por Caetano, e que tinha convidado o músico e compositor Dé Palmeira pra produzi-lo em parceria. Achei uma ideia ótima, que ninguém teve antes, ao que eu saiba.

As dez canções que Alexia selecionou para "I Just Happen to Be Here" (título retirado de um verso de"London, London") foram compostas entre 1969 e 1972. Foram os "anos de chumbo" de Caetano, em que - como ele mesmo relata em seu livro "Verdade Tropical"- passou pelas experiências traumáticas e transformadoras da prisão no Rio de Janeiro, do confinamento em Salvador e de quase três anos de exílio em Londres, durante o período mais violento da ditadura militar.
O significado de "deixar seu país" é totalmente diferente nas experiências de Caetano e Alexia: ela nunca foi presa, confinada ou exilada. Alexia nasceu duas gerações depois de Caetano, em 1984. Filha de mãe norte-americana e pai brasileiro, ela sempre se dividiu entre os EUA e o Brasil, até se estabelecer aqui de vez, há sete anos.
Com dupla nacionalidade, fala português e inglês sem qualquer sotaque que a denuncie como estrangeira. Nem aqui, nem lá. Nas palavras de Alexia: “O tempo e a língua divididos entre o Brasil e os Estados Unidos, me aproximaram da poesia do exílio cantada por Caetano. Eu me aproprio das palavras dele, criadas para um outro contexto, traduzindo-as para mim num movimento de autodescoberta e autoafirmação: You don’t know me...just let me say who am I".

Nesse processo, Alexia se deu conta de que essas canções transcendiam as circunstâncias históricas e pessoais do Caetano, já que a sensação de estranheza, desconforto e não pertencimento invade a alma de tanta gente no mundo inteiro hoje. Quem nunca se sentiu um "errante navegante"? Alexia explica: "Foram muitas idas e vindas nessa minha história americano-brasileira. Sem eu saber, a música de Caetano apontava para o meu futuro no Brasil. Agora estou aqui. E isso não é obra do acaso - o aqui significa quem eu sou de verdade. I just happen to be here and it’s OK. No mapa, na vida e na música.”
Entre as ideias musicais de que eu mais gosto no CD, destaco a decisão de deixar as canções na sua essência, sem utilizar as citações que Caetano fazia (como em "You Don't Know Me" e "It's a Long Way"); a levada sugestiva de samba-reggae em "Nine Out of Ten", com auxílio luxuoso de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, fazendo a ponte Londres-Salvador; o dobro tocado por Frejat em “In the Hot Sun of a Christmas Day”, única parceria em inglês entre Caetano e Gilberto Gil; e o equilíbrio orgânico entre as texturas acústicas e eletrônicas.

Fiquei impressionada com a qualidade dos músicos que tocam em “I Just Happen to Be Here”. Além de Letieres & Rumpilezz, Frejat e o próprio Dé, o disco traz a classe e competência de Dadi, Rodrigo Campello, Kassin, Domenico Lancellotti, Charles Gavin, Berna Ceppas, Jr Tostói, Marcelo Costa, Marcelo Vig, Roberto Pollo, Ricardo Palmeira e Mú Carvalho.
Há também participações internacionais, como a do compositor norte-americano Jesse Harris (vencedor do Grammy, autor do megahit de Norah Jones "Don't Know Why"), do baterista e programador holandês Marcel Van As (da banda Coparck) e da cantora norte-americana Hannah Cohen.

Alexia, Felipe e Dé foram ousados, corajosos e bem sucedidos ao mexer com talento e imaginação, em um material que muita gente considera "sagrado". Entre outras coisas, “I Just Happen to Be Here” valida o principio antropofágico tropicalista: digerir para renovar. Esse disco mexe a grande roda da música brasileira, maravilha mutante.

Fernanda Abreu, cantora e compositora
 Press release para imprensa

Um comentário:

Pedro Progresso disse...

Novo link para o disco "I just happened to be here"
https://mega.nz/#!1RY0kZrR!PeKQOw1eM2uMxjvNK7raF_gO0V8uuuwb6pfTD3CYSeI