Postagem em destaque

TORRENTe! +links

Oi gente! Passando pra informar sobre os links do site... LINKS PARA OS DISCOS NOS COMENTÁRIOS DESSE POST Depois de muitas tentativas de ...

1968 - Tropicália ou Panis et Circensis









.
1. Miserere nobis - Gilberto Gil
(Gilberto Gil, Capinan)

2. Coração materno - Caetano Veloso
(Vicente Celestino)

3. Panis et circenses - Os Mutantes
(Caetano Veloso, Gilberto Gil)

4. Lindonéia - Nara Leão
(Caetano Veloso, Gilberto Gil)

5. Parque industrial - Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Tom Zé e Os Mutantes
(Tom Zé)

6. Geléia geral - Gilberto Gil
(Gilberto Gil, Torquato Neto)

7. Baby - Gal Costa (part. Caetano Veloso)
(Caetano Veloso)

8. Três caravelas (Las tres carabelas) - Caetano Veloso e Gilberto Gil
(A. Algueró Jr., G. Moreu / Versão: João de Barro)

9. Enquanto seu lobo não vem - Caetano Veloso
(Caetano Veloso)

10. Mamãe coragem - Gal Costa
(Caetano Veloso, Torquato Neto)

11. Bat macumba - Gilberto Gil
(Caetano Veloso, Gilberto Gil)

12. Hino do Senhor do Bonfim - Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil e Os Mutantes
(João Antônio Wanderley)

Comentários: 
Como surgiu a idéia de fazer o disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis?
Caetano: Acho que a idéia partiu de mim. Quem tocou mais esse disco fui eu.
É o disco tropicalista de que você mais gosta, não é?
Caetano: É. Assim que ficou pronto, Gil não gostou, mas eu adoro. 
Em entrevista para o site Tropicália, projeto de Ana Oliveira

É essa abertura sem reservas para o novo que é responsável também por um fato inédito em nossa música popular: a colaboração íntima com músicos eruditos de vanguarda, como Rogério Duprat, numa associação incomum mesmo no plano mundial. E que faz com que as linhas mais avançadas da música de vanguarda - música eletrônica e antimúsica - se encontrem com a música popular numa implosão informativa da qual tudo pode resultar, inclusive uma nova música, uma música ao mesmo tempo de "produção e consumo", ou de "produssumo" como diria Décio Pignatari.

Em vez de fazer a revolução musical na epiderme temática, Gil, Caetano, e seus companheiros, estão fazendo uma revolução mais profunda, que atinge a própria linguagem da música popular. Por isso mesmo eles incomodam, mais do que muitos protestistas ostensivos, logo assimilados pelo Sistema.
Augusto de Campos em "Balanço da Bossa e outras bossas" Ed. Perspectiva, 1978
Está tudo em "Tropicália ou Panis et circensis". Os lindos arranjos do Rogério Duprat,que foi muito orientado por mim. É um filme meu, esse disco. O Gil, que fez coisas divinas nesse trabalho, não ficou tão animado. Ele achou que tinham umas coisas desafinadas na orquestra. (...) "Tropicália" traz mais um marco: neste disco está a primeira gravação do grande grupo Os Mutantes, com a canção que se destaca do resto do disco, "Panis et circenses", gravada antes de Os Mutantes fazerem o disco deles. Sempre foram maravilhosos, um dos maiores grupos de rock do mundo, sempre achei e digo isso no meu livro "Verdade Tropical". (...)
Neste disco estréia também o grande artista Tom Zé, a quem fui buscar em Salvador. Ele não queria de jeito nenhum vir para São Paulo, tinha medo do frio e pavor de deixar a Bahia. Insisti muito, o trouxe comigo de avião comigo. Gravamos músicas dele nesse disco, começou aí sua carreira e Tom Zé está aí até hoje, atuante, compondo e gravando.
Depoimento a Charles Gavin e Luís Pimentel - Livro "Tantas canções", 2002 

Opinião da casa 

Outro ícone tropicalista, também reconhecido mundialmente por sua importância histórica e por sua capa iconoclástica (que, curiosamente, não se sabe até hoje quem é o fotógrafo dessa imagem!). O disco-manifesto tem grande importância: arranjos de Duprat, o surgimento de Tom Zé, a adesão de Nara Leão, as poesias de Torquato, a ironia dos Mutantes... Funciona. 
Por se tratar de um disco e de um manifesto de um movimento, algumas canções servem mais para demonstrar o propósito do grupo e provocar o ouvinte, caso de "Coração Materno", "Hino do Senhor do Bonfim" e "Três Caravelas". Mas tem "Baby" (que, segundo Caetano, foi ditada a ele por Bethânia, que se recusou a gravar nesse disco, dando lugar a Gal) que é uma obra prima; Panis et Circensis em sua versão definitiva e uma pouco notada, "Enquanto seu lobo não vem", com suas provocações à ditadura, exaltando a luta armada, as fugas, o "Presidente Vargas" que é ouvido no coro.

De todas, Baby foi o maior hit, posteriormente gravada por Bethânia ("Recital na Boite Barroco", 1968) e teve projeção internacional com a versão em inglês dos Mutantes ("Tecnicolor", 1970 - lançado em 2000), da banda Belle and Sebastian e de Bebel Gilberto ("Bebel Gilberto", 2004).

3 comentários:

Letrex disse...

Esse disco sempre entra na lista de melhores da música brasileira. Não concordo, não está entre os melhores mas sim entre os mais importantes. Excelentes composições, algumas enigmáticas por conta da ditadura, o que falta mesmo é um pouco mais de empolgação nas interpretações, acho que pela influência da Bossa Nova ainda bem presente. Faltou mais ousadia ainda.
Quanto música "Enquanto Seu Lobo Não Vem" eu nunca entendi muito a letra, o que ela quer dizer de fato ou se é só aquilo mesmo. Mas o Pixote que eu conheço que morreu assassinado pela polícia embaixo da cama morreu em 87, 20 anos após este LP, terá sido uma previsão então? Heheheheh!!
Muito obrigado pela versão remixada, é curioso também ouvir essa nova versão.

Pablo Motta disse...

Não tem mais o link :(

Pedro Progresso disse...

Link - Tropicalia ou Panis et Circensis

https://thepiratebay.org/torrent/9611389/1969_Caetano_Veloso_Tropic_aacute_lia_ou_Panis_et_Circensis_[Rem