Postagem em destaque

TORRENTe! +links

Oi gente! Passando pra informar sobre os links do site... LINKS PARA OS DISCOS NOS COMENTÁRIOS DESSE POST Depois de muitas tentativas de ...

1994 - Fina Estampa



1. Rumba Azul
(Armando Orefiche)

2. Pecado
(Carlos Bahr, Armando Pontier)

3. Maria Bonita
(Agustin Lara)

4. Contigo En La Distancia
(Cesar Portillo De La Luz)

5. Recuerdos De Ypacarai
(Demetrio Ortiz, Zulema Estela de Mirkin)

6. Fina Estampa
(Chabuca Granda)

7. Capullito De Aleli
(Canchola Rafael Hernandez)


8. Un Vestido Y Un Amor
(Fito Páez)

9. Maria La O
(Ernesto Lecuona)

10. Tonada De Luna Llena
(Simón Díaz)

11. Mi Cocodrilo Verde
(Jose Dolores Quinones)

12. Lamento Borincano
(Canchola Rafael Hernandez)

13. Vete De Mi
(Homero Exposito, Virgilio Expocito)

14. La Golondrina
(Narciso Serradell, Niceto de Zamacois)

15. Vuelvo Al Sur
(Fernando Ezequiel Solanas, Astor Piazzolla)

Comentários:
Para mim, o destino ideal deste disco é aprofundar o diálogo com algumas pessoas que, espalhadas pela América Espanhola, vêm há algum tempo generosamente prestando atenção à minha música. A ambição de aumentar o número dessas pessoas, embora me pareça legítima, é secundária e só aparece como subproduto do desejo da gravadora para a qual trabalho, de ampliar o mercado hispano-americano para os meus discos. O que importa, no entanto - e o que define o perfil desta 'fina estampa' - é que, apesar de ser aparentemente um gesto dirigido para fora da minha língua e da minha cultura, trata-se antes de um movimento para dentro de minha memória mais íntima e para o interior do Brasil: na cidadezinha de Santo Amaro, na Bahia, onde nasci e vivi até os 18 anos, ouviam-se, nos anos 40 e 50, canções cubanas, mexicanas, argentinas, paraguaias ou porto-riquenhas que marcaram a formação de toda uma geração. Elas são 'minhas', estão ligadas a recordações de família e de amizade que me dão uma espécie de direito sobre elas - e sem dúvida lhes dão um imenso poder sobre mim.Se hoje sou capaz, às vezes, até mesmo de conversar em espanhol (se o interlocutor não fala português), devo-o aos boleros e às rancheiras, às rumbas e aos tangos, aos merengues e as guarânias. A única coisa que não posso dizer é que foi com muita dor e dificuldade que deixei de fora um número pelo menos tão grande de canções igualmente representativas disso e, portanto, igualmente adequadas a este disco, quanto o das que gravei. E o que o número das gravei - e de que não quis abrir mão - é maior do que a gravadora desejaria.
Caetano Veloso - 28/07/94 - Folha da Bahia

Opinião da casa:

Começa a frutífera parceria com o maestro Jacques Morelenbaum. E aqui já se nota uma sonoridade melhor, mais elaborada, que se aprimoraria nos discos seguintes.
Gosto bastante do tratamento dado a essas canções. Caetano é um intérprete sensível, um curador exemplar ao trazer essa memória afetiva nas suas escolhas. Esse disco inclusive é muito mais original e melhor do que o proposto pela gravadora na época, que era fazer um cd com versões em espanhol de hits de Caetano. 
Gosto de "Rumba azul" e "Maria la O". Mas os destaques são "Tonada de Luna llena" e "Lamento Boricano". Acabou virando uma grande referência no exterior.

4 comentários:

Anônimo disse...


Parabens, Muito Obrigado.

Anônimo disse...

Excelente!

Anônimo disse...

cade o link p download

Anônimo disse...

O que posso comentar, se nos seus comentários ja diz tudo, perfeito, esse disco ficou original, além do que as finadas gravadoras costumavam sugerir!