Postagem em destaque

TORRENTe! +links

Oi gente! Passando pra informar sobre os links do site... LINKS PARA OS DISCOS NOS COMENTÁRIOS DESSE POST Depois de muitas tentativas de ...

1999 - Omaggio a Federico e Giulietta


1. Que não se vê (Come tu mi vuoi)
(Nino Rota, T. Amurri)

2. Trilhos urbanos
(Caetano Veloso)

3. Giulietta Masina
(Caetano Veloso)

4. Lua lua lua lua
(Caetano Veloso)

5. Luna rossa
(V. de Crescenzo, A. Vian)

6. Chega De Saudade
(Antônio Carlos Jobim , Vinicius de Moraes)

7. Nada
(Dames, Sanguinette)

8. Come prima
(M. Panzeri, S. di Paola, S. Taccani)

9. Ave-Maria
(Caetano Veloso)

10. Chora Tua Tristeza
(Oscar Castro Neves, Luvercy Fiorini)

11. Coração vagabundo
(Caetano Veloso)

12. Cajuína
(Caetano Veloso)

13. Gelsomina
(Nino Rota, M. Galdieri)

14. Let's face the music and dance
(Irving Berlin)

15. Coração materno
(Vicente Celestino)

16. Patricia
(Damaso Peres Prado)

17. Dama das camélias
(João de Barro, Alcyr Pires Vermelho)

18. Coimbra
(Raul Ferrão, José Galhardo)

19. Gelsomina
(Nino Rota, M. Galdieri)

Comentários: 
Eu estava em Nova Iorque mixando “Circuladô” quando recebi a carta de Maddalena Fellini me sugerindo, em nome da Fondazione Fellini, que eu fizesse uma apresentação em Rimini em homenagem a Federico e Giulietta. A irmã de Federico me contava que Giulietta chegara a conhecer a canção que eu escrevera sobre ela e que ficara tocada. Maddalena deplorava (quase tanto quanto eu) que o casal tivesse morrido sem que um encontro pessoal nos tivesse sido concedido pelo acaso, o destino, Deus, os deuses. Ela tinha lido minhas declarações à imprensa italiana de amor à poesia do cinema de Masina/ Fellini. Amor que se destacava como algo especial dentro da minha admiração pelo cinema italiano dos anos 40, 50 e 60. O fato disso encontrar resposta no misterioso amor de alguns italianos famosos e anônimos pela minha música, levou-a a considerar a oportunidade de um tal concerto. A carta me arrebatou.


No dia em que finalmente cheguei a Rimini para cantar, minha voz apresentou um tipo de problema que eu até então desconhecia: bem no fundo da laringe, algo quase me impedia de emitir qualquer som, embora os sons que, com um incômodo sem dor, eu conseguia produzir, saíssem consideravelmente límpidos. De modo que o controle da afinação e sobretudo das intensidades se limitava exasperantemente. Estava frio e úmido em Rimini, mas havia também uma emoção grande demais em mim. Essa emoção envolvia tristeza, orgulho exaltado e vagos medos ligados ao sentido da minha vida.
Caetano Veloso  - Realease do disco "Omaggio a Federico e Giulietta" em 1999

Opinião da casa:

Um bom disco que mostra toda reverência de Caetano a Felllini. O show é excelente e liga muito bem a trajetória de Caetano com o cinema, ainda em Santo Amaro, passando pela importância da Bossa Nova nesse conjunto de descobertas da juventude dos anos 50 (a terceira gravação de "Chega de saudade") e a sua  própria trajetória artística com letras que se pautam muito por essas imagens cinematográficas (ninguém explorou essa vertente tão bem quanto Caetano).

Surgem as belas releituras de "Giulieta Masina", "Lua lua lua lua" (numa linda versão!), "Cajuína" e "Trilhos Urbanos" - todas simples mas com uma sonoridade boa, de banda, que deixa a vontade que Caetano regrave mais coisas antigas - e inesperadas - ao vivo. Destaque para a versão inédita "Que não se vê" e para a divertida "Patrícia".

Um comentário:

Airton disse...

Você é o cara!!! Seu blog é massa!!!