Postagem em destaque

TORRENTe! +links

Oi gente! Passando pra informar sobre os links do site... LINKS PARA OS DISCOS NOS COMENTÁRIOS DESSE POST Depois de muitas tentativas de ...

1977 - Bicho


1. Odara
(Caetano Veloso)

2. Two naira fifty kobo
(Caetano Veloso)

3. Gente
(Caetano Veloso)

4. Olha o menino
(Jorge Ben Jor)

5. Um índio
(Caetano Veloso)

6. A grande borboleta
(Caetano Veloso)

7. Tigresa
(Caetano Veloso)

8. O Leãozinho
(Caetano Veloso)

9. Alguém cantando
(Caetano Veloso)
Comentários:
Acabada a excursão dos Doces Bárbaros, de novo, sozinho, recomecei a compor. E é principalmente das canções que surgiram nesse período que se compõe o repertório desse novo disco. A primeira que pintou foi a que veio a se chamar "Gente" (...) É uma canção linda e emocionante e louca como os Doces Bárbaros e a considero uma homenagem à experiência que os Doces Bárbaros foram para mim.
Um dia estava com Moreno vendo um seriado na televisão no qual apareciam uns meninos indianos que andavam com um elefante e encontravam outro menino, que era selvagem e não sabia falar e reagia como um felino. Quando eles tentavam se aproximar do menino selvagem, um grande tigre vinha protegê-lo. O menino tinha sido criado por aquele tigre que, na verdade, era fêmeo. O fato é que pensei que tigre fêmeo diz-se tigresa, e aí estava a palavra.
(...) Mil pessoas me perguntam quem é a "Tigresa", ou para quem a música foi feita. Pois bem. Depois da mamãe tigresa da televisão, a primeira imagem de mulher que veio à minha cabeça foi a de Zezé Mota, e isso está bem evidente nas unhas e na pele. Mas terminei descobrindo que os olhos cor de mel são da Sônia Braga (...) Por fim a "Tigresa" sou eu mesmo.

Voltando ao projeto de músicas doces e suingadas, apareceu a melodia de "Odara", que é uma palavra que aprendi com o Waly Salomão. Digo que aprendi com o Waly porque foi ele que passou essa palavra para mim com o valor semântico que ela tem na letra da canção. Claro que já tinha ouvido na voz de Clara Nunes num desses sambas sobre religião negra (...)

Fiz "Leãozinho"para Dadi. Gosto de chamá-lo de Leãozinho porque ele é um lindo menino do signo de Leão, que é também o meu signo. (...)

"Two Naira Fifty Kobo" foi o apelido que o pessoal deu ao motorista que trabalhava pra gente em Lagos. Ele ouvia música dia e noite. É uma figur inesquecível. Fiz a melodia em Lagos mesmo, sentindo o clima das músicas que ouvia por lá. (...) "Two Naira Fifty Kobo" é a minha canção da Refavela.

O disco chama-se "Bicho". Principalmente por causa do desenho que escolhi pra capa. Eu já tinha feito esse desenho e o achava bonito. Quando fui olhando para o repertório que gravaria, vi que tinha muitos nomes de animais envolvidos. Aí pensei em qualquer coisa de animal, Guilherme Araújo me disse: "Esse seu disco será um jardim zoológico". Eu olhava para o desenho daquela borboleta astral e pensava: "Bicho da vida, esse é o bicho da vida". Quase coloco o nome do disco de "Bicho da Vida". Depois reduzi prá "Bicho". Achei mais sintético, menos retórico. Acredito que o fato dos músicos brasileiros se tratarem, uns aos outros, de bicho, e também o fato da palavra estar em toda caricatura que se faz de hippy nas novelas e nos humoristicos da televisão, e também ser nome de jornalzinho de cartoon e comics, tudo isso se enriquece com esta minha redescoberta da palavra que, por sua vez, sai também enriquecida de tudo isso. Palavra gasta, palavra intacta. 
Caetano Veloso - Jornal do Brasil, 07/1977

Opinião da casa:

É um grande disco e dos preferidos de Caetano.
Vejo muita força nessas canções, por isso gosto da maioria das músicas do disco, implico com alguns arranjos, mas nada demais. É solar, dancing, anti-patrulha (Caetano comprou altas brigas à época por isso).
As grandes "Odara", "Two Nara Fifty Kobo" e "O leãozinho" - todas ganharam releituras excelentes na voz do próprio Caetano, porém estão muito boas aqui no disco. 
"Tigresa", uma campeã de regravações (Ney Matogrosso em "Pecado"; Gal em "Caras e Bocas" e Bethânia em "Pássaro da Manhã", todos de 1977), também teve uma releitura importante do próprio Caetano em 2001, assim como "Gente" que é linda e pouco lembrada. 
"Alguém cantando", aqui cantada pela irmã de Caetano, Nicinha, dá um toque especial pro fim disco (e foi pescada por Simone e Zélia Duncan em 2008, no projeto "Amigo é casa"). 

4 comentários:

Unknown disse...

Para enriqucer seu texto, ALGUÉM CANTANDO, antes de Simone e Zelia usarem na abertura do show delas, GAL COSTA usou a mesma canção na abertura do show TODAS AS COISAS E EU, em 2004. abç

ADEMAR AMANCIO disse...

Muito bom o disco.

Sofia disse...

O 4shared apagou o albúm do Bicho, não da para baixá-lo!

yuri disse...

Um dos discos mais lindo de Caê.